Junho 19, 2024
Internacional Comunidades

Luso-venezuelana distinguida com prémio de Ciência

luso-venezuelana

A bióloga e investigadora luso-venezuelana Yetsenia De Gouveia foi distinguida com o Prémio Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação da Venezuela, em reconhecimento pelas “contribuições em matéria de biologia celular, imunologia e embriologia”.

O prémio foi entregue em Caracas pela ministra de Ciência e Tecnologia, Gabriela Jiménez e tem por base o trabalho de uma tese de mestrado sobre “Caraterização ‘in vitro’ do efeito da ‘gabapentina’ [fármaco usado no tratamento da neuropatia periférica] na linha celular do melanoma murino B16-BL6/Zs green, relacionado com a neuro-imunologia da dor associada ao cancro”.

Formada na Universidade Central da Venezuela e ‘Magister Scientiarum, com menção em Imunologia, pelo Instituto Venezuelano de Investigações Científicas (IVIC), Yetsenia De Gouveia explicou à Lusa que teve dois grandes professores durante a tese que levou à obtenção do ‘grau de Mestre em Imunologia’, a Dr.ª Beatriz Brito do Laboratório de Imunopatologia do Centro de Medicina Experimental daquele organismo e o Dr. Victor Tortorici do Laboratório de Neurofisiologia do Centro de Biofísica e Bioquímica, do IVIC.

“Foram os pioneiros na criação do projeto e da linha de investigação, que remonta a 1998 e que incluiu testes com fármacos para o tratamento da dor neuropática em modelos ‘in vivo’ (…) e em 2006 os estudos foram alargados para entender o envolvimento dos processos inflamatórios”, precisou.

Filha de uma portuguesa natural de Câmara de Lobos, Madeira, Yetsenia De Gouveia explicou ainda que “considerando que a dor oncológica afeta negativamente a qualidade de vida dos doentes (…) o estudo científico contribui para aumentar os conhecimentos que apoiam a utilização da ‘gabapentina’ como estratégia multivalente no tratamento do cancro”.

“Para isso, foram estudadas as células B16-BL6/Zs green, que foram cultivadas e submetidas a diferentes concentrações do fármaco, conseguindo-se caraterizar o seu efeito, avaliando o envolvimento da quimiocina MCP-1 e das citocinas pró-inflamatórias IL-1beta e TNF-alfa”, frisou.

Orgulhosa das suas raízes lusitanas, Yetsenia De Gouveia sublinhou ainda “o esforço, empenho, perseverança e dedicação, que por vezes parece difícil e frustrante na área científica, dão frutos, colhemos o que semeamos”.

Aos jovens aspiram dedicar-se à área científica, desafia a acreditar nas suas capacidades e a se apoiarem em reconhecidos cientistas que sigam os seus sonhos e objetivos.

Em 2022 Yetsenia De Gouveia foi distinguida com o Prémio de Estudante da Ciência menção pós-licenciatura, outorgado pela Academia de Ciências Físicas, Matemáticas e Naturais (ACFIMAN) da Venezuela.

FONTE: LUSA

Deixe o seu comentário

  • Como avalia o artigo?
X