Junho 13, 2024
Destaques Cultura Portugal

Marcha da Madragoa em Macau

A Marcha da Madragoa vai participar na parada do Ano Novo Lunar em Macau, a 12 e 17 de fevereiro, que terá grupos estrangeiros pela primeira vez desde 2019, anunciaram hoje as autoridades.

A diretora dos Serviços de Turismo (DST) da cidade, Maria Helena de Senna Fernandes, disse que a participação do grupo português foi sugerida pela organização das Marchas Populares de Lisboa.

“Há muitos anos tivemos uma cooperação com as Marchas de Lisboa”, disse a responsável, em conferência de imprensa, lembrando que a parada do Ano Novo Lunar de Macau contou com grupos da capital portuguesa em 2014, 2015 e 2020.

A diretora da DST, que integrou uma delegação do território que visitou Portugal em abril do ano passado, afirmou que a ligação com as Marchas de Lisboa foi reatada durante uma campanha turística realizada na capital portuguesa.

“Mais de 60 membros” da Marcha da Madragoa vão viajar para atuar em Macau, sublinhou Senna Fernandes, que expressou “grande satisfação” com o regresso de grupos portugueses.

A parada, no terceiro dia do Ano Novo do Dragão, vai incluir a atuação de 30 grupos convidados, entre formações locais, da vizinha Hong Kong, da China continental e de países como Alemanha, Indonésia, Coreia do Sul e França.

O grupo Marcha da Madragoa ficou em sétimo lugar e conquistou o prémio de Melhor Figurino na 89.ª edição das Marchas Populares de Lisboa.

Além da Marcha da Madragoa, a parada vai incluir 15 carros alegóricos e espetáculos de grupos locais de matriz lusófona, como a Associação de Danças e Cantares Portuguesa ‘Macau no Coração’ e pela Casa de Portugal em Macau.

Os espetáculos vão decorrer num palco na praça do Lago Vai San e a parada vai terminar na Doca dos Pescadores. No início e ao longo do percurso haverá bancadas com lugar para mais de 2.500 espetadores.

A parada conta com um orçamento de pelo menos 37 milhões de patacas (4,22 milhões de euros), disse a diretora da DST, ou mais 30,7% do que na última edição, a de 2020, antes do início da pandemia da covid-19.

Senna Fernandes sublinhou que, além da chegada do Ano Novo do Dragão, a parada vai assinalar o arranque das celebrações dos 25 anos da transferência da administração de Macau, de Portugal para a China, a 20 de dezembro de 1999.s

A dirigente disse ainda à imprensa local que a DST vai participar na Bolsa de Turismo de Lisboa, entre 28 de fevereiro e 03 de março, numa tentativa de atrair mais visitantes internacionais.

Senna Fernandes disse estar a trabalhar para lançar, em conjunto com companhias aéreas e agências de viagens, uma campanha que vai subsidiar pacotes para turistas estrangeiros que incluem bilhetes de avião, alojamento hoteleiro e bilhetes para espetáculos.

FONTE: LUSA

Deixe o seu comentário

  • Como avalia o artigo?
X