Junho 14, 2024
Destaques Cultura Portugal

PR elogia “coragem ilimitada” de Alegre e condecora-o

O Presidente da República elogiou o poeta e histórico socialista Manuel Alegre, considerando que se distingue pela “coragem ilimitada”, e condecorou-o com a Grã-Cruz da Ordem de Camões.

Marcelo Rebelo de Sousa anunciou e entregou esta condecoração no fim da sessão de apresentação do livro de Manuel Alegre “Memórias minhas”, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

“Correndo o risco de novamente ser heterodoxo – já o fui quando o condecorei com a Grã-Cruz de Sant’Iago da Espada – vou condecorá-lo hoje com a Grã-Cruz da Ordem de Camões”, declarou.

Surpreendido, Manuel Alegre agradeceu ao chefe de Estado por este gesto e afirmou que nunca o esquecerá: “É para mim de um especialíssimo significado e, de todas as condecorações que tenho, talvez aquela que mais fundo me toca, dada a minha veneração de Camões, dado o facto de Camões estar sempre presente em mim e estar sempre presente em tudo aquilo que escrevi”.

O Presidente da República subiu ao palco depois de terminadas as intervenções da sessão de apresentação do livro “Memórias minhas”, perante um auditório cheio, onde estavam, entre outros, o antigo chefe de Estado António Ramalho Eanes e o anterior primeiro-ministro António Costa.

“Manuel Alegre foi um resistente. Foi um resistente em ditadura e em democracia, foi e é um militante e será sempre, foi e é um poeta e será sempre. Mas tem uma característica muito peculiar, que não é frequente encontrar na poesia como na política: é a coragem ilimitada”, considerou.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, trata-se de “uma coragem não só política, como física, ilimitada”, algo que “é raro de encontrar, num domínio como noutro”.

“Isso é uma grande característica, porque há quem seja tão inteligente, mas não tão corajoso. Há quem seja muito sensível, mas não tão corajoso. Há quem seja muito militante, mas não tão corajoso. Há quem escreva muito bem, mas não tão corajoso. Isso é o seu traço”, acrescentou.

O chefe de Estado referiu que é da autoria de Manuel Alegre o preâmbulo da Constituição da República Portuguesa de 1976, realçou a sua ligação a Camões e apontou-o como “a voz que traduziu um momento épico” contra a ditadura.

“Como imaginarão, eu não sou daqueles mais resistentes na luta contra a ditadura, mas via companheiros ou camaradas estudantis e outros reverem-se na voz de Manuel Alegre – apesar de haver líderes que sofreram mais do ponto de vista da tortura, do ponto de vista da perseguição, da prisão, da clandestinidade, dos combates da vida. Outros houve, muitos outros”, prosseguiu.

“Não podemos esquecer esse momento”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa, anunciando em seguida que iria atribuir-lhe a Grã-Cruz da Ordem de Camões.

À saída, o Presidente da República escusou-se a responder a perguntas dos jornalistas. Questionado sobre o Programa de Estabilidade hoje entregue pelo Governo, disse apenas: “Foi divulgado só à tarde, ainda não o vi”.

Deixe o seu comentário

  • Como avalia o artigo?
X