Junho 20, 2024
Destaques Negócios Portugal

‘Supercarro’ português será produzido em Matosinhos

O Adamastor Furia, novo ‘supercarro’ português fruto de 17 milhões de euros de investimento e com produção estimada em 60 veículos de estrada, será apresentado na terça-feira e produzido em Matosinhos, disse à Lusa um responsável pelo projeto.

“É um veículo de alta ‘performance’ [prestação] todo construído e desenvolvido em Portugal”, começou por dizer à Lusa Ricardo Quintas, cofundador e gerente da Adamastor, empresa automóvel portuguesa cuja origem remonta a 2012.

Segundo Ricardo Quintas, o automóvel, cuja velocidade máxima pode ir até aos 300 quilómetros por hora, “é todo ele construído em carbono, com um motor de posição central e tração traseira”, sendo fruto de um investimento que rondou os 17 milhões de euros desde 2019 até este ano.

“Nós vamos apresentar, no dia 14 [terça-feira] a versão de estrada, mas duas versões foram desenhadas e vão entrar em produção: a versão de estrada, limitada a 60 unidades, e a versão de competição, que em princípio não terá limite, porque as equipas podem sofrer acidentes e ter que necessitar de reparar ou substituir chassis”, explicou à Lusa o empresário.

A opção comercial da empresa, que conta atualmente com 14 trabalhadores, foi “atacar num mercado de nicho e fazer séries limitadas, direcionadas para um mercado específico”, conjugando um custo industrial “não muito alto”, por não haver produção em série, com um investimento maior na investigação.

“Adquirimos um espaço [em Perafita, Matosinhos], dotámos o espaço de todas as máquinas e equipamentos necessários, alguns dos equipamentos foram desenhados e produzidos por nós. Todo o ‘tooling’ [equipamentos para produção, como moldes] deste carro foi desenvolvido por nós internamente e produzido parcialmente por nós, e outras partes produzidas fora”, no caso componentes como o motor, travões, jantes, pneus, eletrónica ou a matéria prima do ‘tooling’.

Para “alguns componentes em metal” houve recurso a parceiros nacionais, mas o desenho, fabricação dos moldes, é totalmente nacional, fazendo com que “90% do valor acrescentado do projeto seja português”, segundo o responsável.

O processo de desenvolvimento contou inclusivamente com recurso à realidade virtual: “os nossos engenheiros enfiavam uns óculos e, na sala que nós tínhamos, eles conseguiam ver se havia algum conflito” técnico, algo que “ajudou a poupar muito dinheiro no desenvolvimento do carro”, partilhou.

“Como o carro foi criado de raiz, tudo teve que ser reinventado. Nós reinventámos todo o processo produtivo”, com recurso a compósitos, ao invés de aço e alumúnio (como sucede na indústria automóvel), produzindo moldes “muito mais rapidamente” e podendo corrigi-los muito mais rapidamente.

O motor estará “preparado para usar combustíveis sintéticos” e também etanol, não permitido para já em Portugal.

De acordo com Ricardo Quintas, o projeto é “viável com uma produção anual de 25 carros, mais a versão de competição e peças de reposição”, e, “consoante a reação do mercado”, a empresa poderá ser equipada com “mais meios ou menos meios produtivos”.

A empresa fez “um estudo de mercado para identificar a dimensão do mercado e as exigências desse mercado”, e imediatamente após isso o carro começou a ser desenhado sob o princípio da “função definir a forma”.

“Nós quando fizemos o estudo de mercado não olhámos para Portugal, olhámos para o mundo inteiro”, disse à Lusa, tendo já sinalizados mercados como o europeu e os Emirados Árabes Unidos como os inicialmente mais atrativos para a venda, e, numa fase seguinte, decorrendo das homologações, “Américas, Oceania e Ásia”.

Detalhes como o preço do veículo, o seu ‘design’ e demais características serão revelados na terça-feira.

Deixe o seu comentário

  • Como avalia o artigo?
X